Personal tools
You are here: Home Artigos Eu Odeio os Brasileiros Malas do Orkut



 

Eu Odeio os Brasileiros Malas do Orkut

by Ricardo Bánffy last modified Nov 19, 2008 08:29 PM
— filed under: , , ,

Sobre o comportamento repreensível dos brasileiros que invadiram o Orkut

É. Eu odeio.

Mania de brasileiro achar que americano não liga pra nós e que isso está errado. Você sabe qual a capital da Albânia? Não? Pois é. Nós brasileiros não damos a mínima pros albaneses. Se um dia tiver amigos lá, vou tratar de me informar um pouco mais (provavelmente, até terminar de escrever isto eu já terei dado uma espiada em alguma enciclopédia para ver qual é a capital da Albânia).

Nos últimos dias eu tenho visto um aumento pronunciado no nível médio de estupidez na net. As pessoas são, no geral, estúpidas - eu não tenho ilusões a esse respeito desde minha adolescência. Meu maior problema é que, quanto mais estúpida a pessoa, mais barulhenta ela é - mais comunidades cria, mais mensagens posta, mais barulho faz. A cada estúpido barulhento que eu vejo, minha fé na humanidade morre um pouco. Isso eu não perdôo.

E quanto mais barulho os brasileiros estúpidos fazem, menos as pessoas (eu inclusive) gostam dos brasileiros em geral.

Isso vale para todos os povos, a propósito. Outra hora eu traduzo o texto pro inglês para que estúpidos barulhentos de todo o mundo possam lê-lo.

O Orkut é ruim

Outro dia vi um imbecil (não posso dar outro adjetivo sem mentir) reclamar que as estatísticas do Orkut não são divididas por estado no caso do Brasil.

Poupem-me, por favor.

Eu não sei de cor os nomes dos departamentos da Argentina (já acho que sei muito por saber que é assim que eles chamam os "estados" deles) e metade do meu carro foi feito lá. Do Japão, eu só lembro das ilhas de Hondo e Hokaido. Meu telefone foi feito na França e eu nem sabia que valia a pena economicamente fazer celulares lá. Eu não saberia dizer os nomes de 20% dos estados dos EUA (e eu converso com um monte de gente que mora lá). Porque diabos eles têm que saber os nomes dos estados brasileiros? Quem, além de brasileiros, se interessa por isso?

Ah... Mas somos a segunda maior comunidade do Orkut.

E daí? O que é que eles têm com isso? Que bom que somos - sinal de que temos muitos amigos (ou que somos menos seletivos), de que somos um povo saudável, de que cultivamos as virtudes da amizade e da cortesia e que gostamos, de verdade, do nosso próximo. Bom pra nós.

O que não dá é ficar cobrando que um serviço gratuito (alimentado pelos seus dados) se desdobre para acomodar as necessidades de uma população específica. O Orkut (site) é do Orkut (pessoa) e ele faz com ele o que bem entender. Ele e seus padrinhos corporativos (o povo do Google) já fazem bastante mantendo a coisa de pé.

O Orkutês

Qual a língua do Orkut? Assim, a primeira vista, eu diria que é inglês. As interfaces estão em inglês, os botões estão em inglês - tudo, exceto as mensagens, está em inglês.

Alguns americanos gostam de reclamar do número de comunidades com mensagens e títulos em português. Quando eu procuro alguma informação, eu procuro algo em alguma língua que eu entenda. Quase todos nós (os que me lêem ao menos), entendemos um pouco, pelo menos, de inglês. É a segunda língua de quase todos os povos. Justo ou injusto, bonito ou feio, é um fato da vida. Coitadinhos dos americanos (e de mais meia dúzia de países) que só falam uma língua. O fato de existirem comunidades em alemão não me incomoda, embora eu seja tão fluente em alemão quanto um orangotango. Eu respeito e acho absolutamente normal que os alemães prefiram escrever em sua própria língua. Eu, por exemplo, escrevi esse texto em português, que, embora não seja a primeira língua que eu aprendi, é aquela em que eu me expresso melhor.

De qualquer modo, o fato de existir uma língua na qual podemos todos nos comunicar, é extremamente significativo e é um passo na direção certa. Não me importa se é inglês, esperanto ou klingon. A língua é uma ferramenta. Se eu quero falar com pessoas de vários países ao mesmo tempo, eu uso o inglês - as chances de ser entendido serão maiores e ser entendido é o que eu quero. Se eu precisar falar com um bando de fãs de Star Trek, por exemplo, klingon seria uma segunda opção.

As Comunidades

Os brasileiros também parecem adorar criar comunidades. Isso é um porre. O cara é convidado pro Orkut (devia dar pra ver quem chamou esses malas), se cadastra na comunidade "Brasil" (ou fica amigo de um daqueles carentes "eu quero ter um milhão de amigos") e manda uma mensagem pra todos na comunidade (ou pior, pros amigos dos amigos, todos os 100 mil) dando conta da importantíssima e absolutamente única comunidade dedicada a falar daquele assunto que o fascina profundamente (e que não interessa a mais ninguém).

E depois o cara ainda me chama de mal-educado (ou nazista) quando eu conto pra ele o que a essa altura não deveria ser novidade - que ninguém mais no mundo se interessa por aquilo e que ele, felizmente, é o único ser humano desperdiçando tempo com aquilo.

Xenofobia e Ressentimentos

Eu não entendo o que Bush tem com tudo isso.

É esquisito, mas ele (e os militares mal-comportados) sempre acaba no meio dessa discussão - ele é, frequentemente, a primeira arma que os não-estadunidenses disparam nos embates anti-estadunidenses. O homem é um imbecil. Isso não quer dizer que o povo todo do país dele seja - embora terem permitido que ele fosse eleito não fale muito a favor deles. O fato é que não se pode colocar todo um povo no mesmo saco que seu lider. Acidentes acontecem e ele é um. Eu ainda não decidi se ele é um imbecil bem-intencionado, um imbecil mal-intencionado ou um imbecil sendo manipulado por alguém muito mal-intencionado - Tomei a liberdade de descartar de antemão a possibilidade dele não ser um imbecil: eu não consegui me fazer acreditar nela.

Muitos americanos parecem ter medo do resto do mundo. Pudera - não conhecem. Para eles nós somos os atrasados, os esquisitos, os populistas, os socialistas, as republiquetas encravadas na selva.

A melhor forma de se combater o medo é com a informação. E nós não estamos ajudando em nada.

Adendos:

Pouco tempo depois de escrever esse artigo, minha caixa de entrada do Orkut foi inundada por uma corrente. Acho bom avisar: Eu não vou pegar livro algum em estante alguma, não vou abrir na página 34, não vou transcrever o quarto parágrafo dela e, sobretudo, não vou pedir às 418.272 pessoas que são os meus "friends of friends" que façam isso. O brasileiro mala (particularmente mala, esse aí) que inventou essa estupidez devia ter matado menos aulas de matemática e entendido o que a expressão "crescimento exponencial" significa.

Vários leitores mais atentos (e cultos) me chamaram a atenção para o fato de que o Brasil tem estados, Uruguai tem departamentos e a Argentina tem províncias. De fato, comi uma bola gigantesca (de proporções binacionais). Obrigado a todos que me corrigiram e, em um certo sentido, validaram o que eu disse lá no alto. Afinal, vivi boa parte da minha vida adulta achando que a Argentina tinha departamentos e isso não teve qualquer efeito aparente. Até agora. :-)

Ainda na trilha de combater a desinformação, um leitor da Argentina, Benito Camela, que não leu o artigo até o fim (ao menos não até o parágrafo acima deste), me brindou com a seguinte, doce, mensagem:

Uma correção: Os estados na Argentina são chamados de Provincias (Na realidade com menor autonomia que os estados de uma republica federativa). E é verdade que vocês brasileiros são vem para dentro da sua fronteira, que o resto do mundo é uma coisa aleia, afastada, como se fosse algum outro planeta. Não sei se é bom o ruim o fato de só conhecer Brasil e nada mais, na Argentina aprendemos desde pequenos a conhecer um pouco de cada coisa, seja ou não do nosso país. Paradojicamente, a gente sente bem menos admiração pelos estrangeiros (Sobre tudo os do "primeiro mundo") enquanto vocês ao ver um alemão, um norteamericano ou um francês, "melam na cueca".

Embora eu discorde de quase tudo o que ele escreve, eu não me sinto parte de nenhuma maioria significativa e, portanto, deixo aos meus leitores a responsabilidade de ensinar essa pobre alma. O nome dele tem o link do e-mail. Quanto à autonomia ou denominação das unidades administrativas da Argentina, sinceramente, eu não me importo.

Benito camela

Posted by Anonymous User at Jun 28, 2010 03:32 PM
Esse argentino escroto só faz estes comentarios maldosos para zoar com os brasileiros,Benito Camela deve sim se preocupar com a arrombada da mãe dele, que deve tá a esta hora dando pra um ermano brazuca!!!!
 A sim para não esquecer,gostaria de ressaltar que brevemente aquele timinho de merda que eles chamam de argentina(dirigido por um drogado a quem dão o apelido Emo de pibe)Vai roda na mão da poderosa ALEMANHA!!!!..

Benito camela

Posted by Anonymous User at Jul 04, 2010 04:10 PM
J ARODOU! KKKKKKKKKK

Benito camela

Posted by Anonymous User at Dec 30, 2011 04:27 AM
Eu sou brasileiro porra gosto de ser arrombado todos os dias mesmo principalmente pelos politicos