Personal tools
You are here: Home Artigos Além do x86



 

Além do x86

by Ricardo Bánffy last modified Nov 19, 2008 08:32 PM
— filed under: , , , , , ,

Uma das coisas que mais me desagrada no atual estado do mercado de servidores (e de desktops também) é a predileção dos fabricantes pela plataforma x86/amd64 e a falta de imaginação dos usuários, que faz com que plataformas muito interessantes fiquem relegadas a nichos estreitos.

A Sun mostrou hoje um servidor baseado em seu processador UltraSPARC T2 Plus. Para quem não sabe, a família T2 é a sucessora do venerável UltraSPARC T1, também conhecido como Niagara.

Muita água. Muita água mesmo

Pense em cataratas. É essa a idéia.

Tanto o T1 como seu sucessor, o T2 (conhecido como Niagara 2) foram feitos para processamento paralelo. Pense multi-core. O T1 tem 8 núcleos (há anos... e tem gente que se impressiona com nem lançados Xeons de 6...). Mas não é só. Pense em HyperThreading (que é uma marca da Intel, mas se aplica aqui). Cada núcleo do T1 processava 4 threads simultâneos. São 32 processos rodando ao mesmo tempo. Não revezando. Ao mesmo tempo.

Em um chip.

O irmão maior

Agora pense no T2. Com o mesmo número de núcleos que o T1, mas agora com uma FPU por núcleo (o T1 repartia a FPU entre os 8) e 8 threads por núcleo. Agora são 64 processos simultâneos.

Isso quer dizer, por exemplo, 64 pessoas acessando páginas da sua intranet batendo "enter" no mesmo milissegundo. E a máquina simplesmente responde.

Com um só processador.

Então... Agora pense que o "Plus" do "T2 Plus" diz que ele trabalha em grupos. Pense em 4 desses processadores em um chassi 4U.

Esse é o T5440 que foi apresentado hoje.

O que fazer com tudo isso?

Com 4 processadores desses, que ganharam o simpático (e aquático) nome de "Victoria Falls", ele roda 256 threads simultâneos. Eles podem ser divididos, claro, por dezenas ou centenas de processos. Some a isso espaço para até 512 GB de memória e você tem a capacidade de um navio cargueiro e a velocidade de um F-14 espremidos no tamanho de um Ford Ka. E, com o maquinário de partições do Solaris (não, o Solaris não vai morrer), a gerenciabilidade de um mainframe.

Mas não pense só em acrescentar isso ao seu parque de máquinas. Use a imaginação. Pense em quanto você poderia gastar a menos com uma caixa assim. Pense em quantas máquinas 1U você pode virtualizar e colocar dentro dele. Meu chute é que você poderia trocar uns 2 metros lineares de caixinhas Dell por uma dessas. Isso deve dar um custo de manutenção umas 10 vezes menor. Pense: o servidor você paga uma vez só, mas a manutenção você paga todo mês. E 30 caixinhas Dell ainda são mais caras do que um desses.

O preço

Mas tem uma pegadinha: Ele não roda Windows. Nem a pau. De jeito nenhum.

E isso é um bom motivo para você pensar duas vezes antes de contratar aquela solução feita em .NET, fazer sua intranet em ASP.net, de guardar seus dados num SQL Server ou seus e-mails em um Exchange (pelamordedeus, não). Pra que limitar suas escolhas ao que o Visual Studio 2008 sabe fazer se você tem grama muito mais verde, mais barata e muitos e muitos quilômetros quadrados dela para onde crescer, do outro lado da cerquina? Use a imaginação. A sua, não a do departamento de marketing dos seus fornecedores. Queime o encarte da Microsoft que vem com a sua Computerworld. Aquilo não presta pra nada. Melhor ainda: dê ao seu competidor. É desumano, mas é um mundo cruel lá fora.

Esse é um servidor de verdade. Ele pode não ser pra você. Com configurações começando em 40 mil dólares, ele é um brinquedo para gente grande. Mas, se você quer brincar com eles, é bom começar a pensar desde já que tipo de tecnologia vai usar.

Eu não vejo a hora de colocar as mãos em um.

Pequena tragédia

Sabe qual é a tragédia aqui? A maioria dos profissionais de TI que vai ler essa matéria nem imagina que coisas assim existam. E não imaginam porque estão tão presos ao seu mundinho de Windows e x86 que esquecem que a Intel e a AMD não são os únicos fabricantes de microprocessadores do mundo e que nem todo servidor é apenas um PC supercrescido.

E que tem gente muito criativa fazendo coisas muito mais interessantes por aí.

O futuro é muito legal.