Personal tools
You are here: Home Blog (português)

Por que eu não compro na hp.com

Posted by Ricardo Bánffy at Aug 09, 2012 06:15 PM |
Filed under: estupidez

"Algo mais em que eu possa ajudar?"

Read More…

Fazendo um pouco melhor (ainda a provinha do GDD)

Ainda não desisti de resolver a prova do GDD em Erlang. Não. Não preciso resolver em Erlang, mas, com tanta gente usando Java, PHP e até PL/SQL pra resolvê-la (e com um amigo que usou Haskell), eu fiquei com vontade.

Também posso repetir uma do ano passado e fazê-la em Lisp.

Então. Erlang é avessa a loops. Loops fazem coisas mudarem de estado e linguagens funcionais não gostam que coisas mudem de estado. O dialeto de Lisp que eu usei ano passado também, mas faz uma concessão e me deixa fazê-los.

O comparador

Assim, a nossa primeira função com loop da prova, cmp_goog, que é assim:

def cmp_googlon(p1, p2):
    v = 'jgptzmqskbclrhdfnvwx'
    for l1, l2 in zip(p1, p2):
        if v.index(l1) != v.index(l2):
            return v.index(l1) - v.index(l2)
    return len(p1) - len(p2)

Ficaria assim:

def cmp_googlon(p1, p2):
    v = 'jgptzmqskbclrhdfnvwx'
    if p1 == p2: return 0
    elif len(p1) == 0 or len(p2) == 0: return len(p1) - len(p2)
    elif p1[0] == p2[0]: return cmp_googlon(p1[1:], p2[1:])
    else: return  v.index(p1[0]) - v.index(p2[0])

Note que, em vez de comparar as strings em um loop, eu comparo só seus primeiros elementos e, se os dois forem iguais, eu chamo o comparador de novo, agora com as strings sem a primeira posição.

Bases numéricas

A outra função serve para nos dar o valor em base 10 de um número em googlon. O original é um clássico, em que você percorre os dígitos do número e vai totalizando os valores de cada casa:

def valor_numerico(p):
    v = 'jgptzmqskbclrhdfnvwx'
    vn = 0
    i = 0
    for c in p:
        vn += v.index(c) * (20 ** i)
        i += 1
    return vn

A idéia é que o valor de um número é o valor do seu dígito menos significativo somado ao produto da base multiplicada pelo valor do resto. No caso de números em base 10, 123 é dado pela soma de 3 com o produto de 10 e 12, sendo que 12 é dado por 2 somado a 10 vezes 1. Transcrito em Python, a nova versão é bem mais concisa:

def valor_numerico_f(p):
    v = 'jgptzmqskbclrhdfnvwx'
    if len(p) == 1:
        return v.index(p)
    else:
        return v.index(p[0]) + 20 * valor_numerico_f(p[1:])

Agora eu preciso de algumas horas para escrever a versão em Erlang. Desejem-me sorte.

Read More…

Solução para a provinha do Google Developer Day 2011 em Python

Esse ano, resolvi tratar com um pouco mais de respeito a prova do GDD. Ano passado, eu resolvi com o prompt do Python aberto, olhando o browser em uma janela e o prompt na outra. Esse ano, as perguntas eram um pouco mais trabalhosas e as strings maiores e isso me fez, em vez disso, escrever um programa. Mais tarde eu coloco o programa no github, mas, por hora, eu transcrevo e comento aqui a minha solução.

A prova apresenta dois textos escritos no idioma Googlon, com os quais vamos trabalhar, e quatro perguntas. Para ajudar (eles são realmente bonzinhos), eles dão as soluções para o primeiro texto, o que ajuda a testar se o código está correto.

Letras foo, bar e preposições

A primeira pergunta explica que algumas letras são chamadas de "letras foo" e todas as demais, "letras bar" e que preposições são palavras de cinco letras que começam com uma letra bar e não contém a letra "q" (é muito provável que a sua prova seja diferente da minha e que elas sejam geradas aleatoriamente - é como eu faria). Para ajudar a resolver, eu escrevi algumas funções

def foo(l):
    return l in "snrbg"

def bar(l):
    return not foo(l)

def preposicao(p):
    return len(p) == 5 and bar(p[-1]) and 'q' not in p

Aí, testar a resposta dada no enunciado é fácil:

>>> palavras_a = texto_a.split(' ')
>>> len(filter(preposicao, palavras_a))
63

Assim como responder a pergunta:

>>> palavras_b= texto_b.split(' ')
>>> len(filter(preposicao, palavras_b))
57

Verbos e verbos em primeira pessoa

A segunda pergunta ensina que verbos são palavras de 6 letras que terminam em uma letra bar. Se ele também começar com uma letra bar, estará em primeira pessoa.

def verbo(p):
    return len(p) >= 6 and bar(p[-1])

def verbo_primeira_pessoa(p):
    return verbo(p) and bar(p[0])

Agora podemos testar nosso código com o dado do enunciado:

>>> len(filter(verbo, palavras_a)) == 216
True
>>> len(filter(verbo_primeira_pessoa, palavras_a)) == 160
True

E descobrir a nossa própria resposta:

>>> len(filter(verbo, palavras_b))
224
>>> len(filter(verbo_primeira_pessoa, palavras_b))
154

No meu caso, eu tinha 224 verbos, dos quais 154 em primeira pessoa.

Vocabulário

Agora o problema pede para criar uma lista com o vocabulário, ordenado segundo o alfabeto googlon. Para isso, eu vou usar o ordenador que já vem embutido nas listas do Python e vou produzir uma função de comparação. Essa função pode ser facilmente plugada em seu próprio sort, se você quiser muito:

def cmp_googlon(p1, p2):
    v = 'jgptzmqskbclrhdfnvwx'
    for l1, l2 in zip(p1, p2):
        if v.index(l1) != v.index(l2):
            return v.index(l1) - v.index(l2)
    return len(p1) - len(p2)

E podemos testar com os dados do enunciado:

>>> vocabulario_a_unsorted = list(set(palavras_a))
>>> ' '.join(sorted(vocabulario_a_unsorted, 
...                        cmp = cmp_googlon)) == vocabulario_a
True

Nota: ao construir um set com as palavras do texto A, eu eliminei as repetições. Como objetos do tipo set não são ordenáveis, eu transformei o conjunto em uma lista. 

Agora podemos encontrar nossa resposta:

>>> vocabulario_b_unsorted = list(set(palavras_b))
>>> vocabulario_b = ' '.join(sorted(vocabulario_b_unsorted, cmp = cmp_googlon))
>>> vocabulario_b
'jgspd jgv jpgzkx jzvjw jmrmlq jmdxx jmntpzq jqw jspk jkc jbb jcphbk jch jcv jlkm...

Números

Agora a prova nos explica que todas as palavras em googlon tem um valor numérico. Em googlon, os números são escritos do dígito menos significativo para o mais significativo e em base 20. Pra isso, precisamos de mais uma função:

def valor_numerico(p):
    v = 'jgptzmqskbclrhdfnvwx'
    vn = 0
    i = 0
    for c in p:
        vn += v.index(c) * (20 ** i)
        i += 1
    return vn

que, podemos testar contra o enunciado:

>>> valor_numerico('blsmgpz') == 262603029
True

Essa parte está certa. Mas a pergunta pede para contarmos os números bonitos. Para eles, números bonitos são divisíveis por 5 e maiores que 492528.

def numero_bonito(p):
    return valor_numerico(p) > 492528 and (valor_numerico(p) % 5 == 0)  

Agora podemos testar:

>>> len(filter(numero_bonito, vocabulario_a.split(' '))) == 75
True

E chegar na nossa resposta:

>>> len(filter(numero_bonito, vocabulario_b.split(' '))) 
71

Conclusão

Foi difícil? Nem um pouco. Se você não conseguiu responder por conta própria, precisa estudar mais. Foi mais trabalhosa do que a do ano passado? Um pouco. Por outro lado, ela tinha informações suficientes para você poder testar suas próprias soluções - e isso ajudou quem teve mais problemas para resolver a prova a aprender alguma coisa. Prova boa é assim - você aprende enquanto faz.

Uma última observação: eu gosto de list comprehensions, mas também gosto de map, filter e reduce. O código fica mais limpo quando eles são bem empregados.

Read More…

Sobre a provinha do Google Developer Day 2011

Ano passado, quando a Google abriu as inscrições para o GDD, eu escrevi o primeiro de uma série de três artigos sobre a tal provinha. Esperei até o final das inscrições (e o sinal verde de um amigo que trabalha lá) para publicá-lo.

Não vou fazer diferente esse ano. Se você veio aqui querendo ver a solução dos problemas do ano passado, eles estão relacionados abaixo. Se, por outro lado, chegou aqui procurando um jeito fácil de entrar no evento, devia ter vergonha. Eu respeito a decisão da Google de usar a prova como uma forma de garantir que a platéia tenha melhores chances de entender o que o palestrante vai falar e não vou ajudar a estragar o processo de seleção de convidados deles. Quando as inscrições estiverem encerradas, eu volto aqui e publico a minha solução e aí você pode comparar com a sua.

De resto, boa sorte. A prova não é difícil e eu tenho certeza que você consegue. Você já chegou até aqui, afinal.

Um abraço e até lá.

Nota: Se você colocar aqui um comentário mostrando uma solução antes que sejam fechadas as inscrições, eu vou apagar pela mesma razão que me fez não publicar a minha ainda. Se você tem uma solução, volte depois.

Outra nota: Agora, que as inscrições estão encerradas, você pode achar soluções procurando no Google. Uma delas (em Java) foi postada em um comentário aqui. A mihha em Python está aqui. Há outras, algumas com escolhas de linguagem ainda mais estranhas do que a minha versão para computadores de 8-bits do ano passado. Acho uma pena que tantos tenham praticado GDD (Google-Driven Development, pun intended) e tenham googlado por respostas em vez de aprender a programar.

Read More…

O dia de Dorneles Treméa

Posted by Ricardo Bánffy at Jun 18, 2011 09:00 AM |

Ontem, no meu e-mail, eu tinha esta mensagem:

Dia do Dorneles

Hoje seria o aniversário de um bom homem. Inteligente, bem humorado, generoso, tenista invicto no seu Wii, pai de uma família que eu só conheci por foto e um amigo com quem eu devia ter me encontrado mais vezes. Não há pythonista ou plonista brasileiro que não tenha uma dívida de gratidão para com ele. Sua dedicação e generosidade foram parte fundamental da nossa história, tornaram nossas vidas melhores e servem como fonte de inspiração para nossos feitos futuros.

Hoje este blog acompanha muitos outros. Hoje é #dornelesday.

É dia de lembrá-lo.

Todos os dias são dias de seguir seu exemplo.

Read More…

Restaurando um clássico

Restaurando um clássico

Posted by Ricardo Bánffy at Jun 10, 2011 11:20 AM |

Um dos integrantes da minha Coleção de Computadores Interessantes é um Spectrum ED. O ED era um computador compatível com Apple IIe, com algumas diferenças interessantes (nem sempre convenientes) no hardware. Foi feito pela Spectrum (uma empresa da Scopus) em 86 e era uma máquina muito simpática. Ao contrário da maioria dos Apple IIs, ela tinha um teclado externo (muito bom, diga-se de passagem) e um floppy disk embutido no gabinete. O teclado se liga à motherboard através de um conector DIN de 5 pinos. O monitor, de 10", era bem compacto e funciona em outros computadores por usar uma saída de vídeo-composto.

O meu Spectrum ED

Dano no floppyEssa unidade tem dois defeitos, um identificado, outro não. O defeito identificado é no floppy - alguns capacitores explodiram quando o computador foi ligado. Isso é fácil de arrumar, mesmo que a solução seja colocar outro drive de Apple II dentro da unidade. O outro problema, mais sério, pode tanto ser no teclado, quando na placa-mãe. O LED de reset do teclado não acende quando a unidade é ligada, nenhum sinal do teclado é entendido pelo computador. Acionar o reset pelo teclado não coloca o computador no interpretador BASIC. Não consegui fazer mais testes por hora por conta disso.

Tentando diagnosticar o problema do teclado

O problema mais importante é mesmo o teclado. Um Apple II com uma placa CFFA pode funcionar (não sei como fica com esse computador que tem controlador de floppy na motherboard - pode ser que eu precise de mais do que uma placa genérica), mas um Apple II sem teclado não é particularmente útil, nem mesmo para os padrões de vintage computing.

Para diagnosticar o teclado, eu precisei fazer uma paça pra me deixar pendurar um multímetro (se alguém tiver um osciloscópio sobrando, meu aniversário é em março) ou uma barra de LEDs para ver o que está passando, se tiver alguma coisa passando. A peça é simples - uma placa com conectores, cablo flat e um par macho-fêmea de conectores DIN. Não é particularmente bonita, mas funciona bem.DIN breakout

Uma vez ligada ao computador, eu pude mapear alguns dos sinais que estavam vindo da motherboard e tentar entender como funciona o conector do teclado. Infelizmente, ligando o computador e o teclado na placa e monitorando os sinais (eu liguei uma barra de LEDs para poder visualizar se havia alguma atividade no barramento - não é à toa que esse site tem o nome que tem), mas sem nenhum sucesso. Pode ser que o computador esteja sinalizando algo estranho para o teclado, que o teclado não esteja dizendo algo que o computador espera e que, nessa situação, os dois, simplesmente, não digam nada um pro outro.

Próximos passos

Antes de qualquer coisa, eu preciso descobrir o problema do teclado. Alguns sinais da motherboard parecem estranhos (tem mais Vccs do que deveria, pelo mapeamento do conector pelo lado do teclado) e pode ser que um problema na motherboard tenha danificado o 7404 do teclado (e isso é um risco, porque seu eu plugar um teclado de ED -ou de Micro-Engenho II - funcionando ele pode acabar queimado). A primeira coisa a fazer é mapear a interface com o teclado na motherboard (que deve ser algo interessante, convertendo um sinal serial na conexão paralela que o Apple II deve esperar. Numa inspeção visual (há fotos aqui), não encontrei nada do que eu esperaria em um computador dessa idade, o que é uma pena - se o problema fosse um componente visivelmente danificado, o processo seria muito mais simples.

Outra alternativa seria testar o teclado isoladamente. Para isso eu posso montar uma fonte de alimentação em um conector DIN e alimentar o teclado pelos sinais que eu identifiquei (traçando a alimentação do 8031 até o conector) e verificar como ele se comporta sem o computador ligado a ele. Não tomei nenhuam decisão quanto a isso. Talvez tente os dois, dependendo de quanto tempo livre eu tiver no fim-de-semana.

Read More…

"Erro no processo da assinatura digital após retorno do Applet Assinador. Tente mais tarde"

Certamente eu não sou a única pessoa a detestar a nossa Receita Federal. E não é nem pelos impostos, dessa vez. Eu sei que o trabalho deles é cobrar, que não são eles que inventam os números malucos com os quais eu tenho que viver.

Nos últimos dias troquei e-mails mal-criados com meu contador por conta de um problema com o sistema de procurações eletrônicas da Receita. Em teoria, é lindo. Eu tenho um certificado digital assinado pela Certisign. Esse certificado fica instalado no meu navegador e prova, se o site quiser e eu deixar, que eu sou eu. Isso é uma das formas que a Receita aceita como prova de identidade. Uma vez provado que eu sou eu, eu posso agir como representante de uma pessoa jurídica e criar uma procuração para que meu contador envie relatórios, preencha formulários, solicite informações e, no geral, me poupe de lidar diretamente com esse feudo do governo. Qualquer coisa que torne o governo mais eficiente (e barato) é boa pra mim. Se o preço de economizar uns 5 metros quadrados de agência e 30 minutos de um atendente é comprar um número primo, que seja.

O problema é que, há dias, estou tentando gerar a tal procuração nos dois notebooks que eu uso regularmente, ambos rodando Ubuntu Linux 10.10, um deles de 32 bits e o outro de 64. Sou sempre confrontado com uma mensagem "Erro no processo da assinatura digital após retorno do Applet Assinador. Tente mais tarde". O applet é um programa em Java. Eu tenho o Java aqui (1.6 da Sun/Oracle, um pouco mais novo do que o que a Receita pede). Tenho também o Firefox, que é uma coisa que a Receita pede. Tudo funciona até o momento em que eu assino a procuração usando applet e o certificado digital. Tentei mais tarde, tentei em dias úteis, mudando o prazo da procuração, horário comercial, 32 bits, 64 bits... Tentei tudo.

Hoje, por um outro problema completamente diferente, estava instalando um Windows em uma VM e, após uma calorosa troca de e-mails com meu contador (pela qual eu já pedi desculpas) resolvi tentar mais uma vez. Instalei meu eCPF (o nome comercial dado ao certificado) e o Java (da Sun/Oracle, como no Linux) e fui lá fazer a assinatura da procuração com o IE que estava instalado na VM. Funcionou.

Que m* é essa? A Receita está mesmo me obrigando a usar Windows? Se é assim, escreve logo no site que eu nem tento usar Linux. Não dê uma mensagem de "tente mais tarde". Diga de uma vez "não deu certo desse jeito", "tem algum problema no seu computador" ou algo parecido.

Com todo o suporte que o governo federal diz dar ao software livre é plausível que esse sistema nunca tenha sido testado com Linux? Com a distribuição mais popular dele?

Serei eu o único com esse problema?

Read More…

A provinha do GDD, em BASIC (para micros de 8 bits)

A provinha do GDD, em BASIC (para micros de 8 bits)

Eu confesso que me diverti resolvendo a provinha do GDD. Pra quem chegou agora, foi um teste aplicado pelo pessoal da Google para filtrar inscritos no Google Developer Day. Como eles tiveram muito mais inscritos do que espaço físico comportava, fazia sentido. Embora muitos tenham reclamado, era uma prova muito simples e eu resolvi usando duas linguagens diferentes, Python e Clojure, ambas modernas.

BASIC?!

Um passatempo meu é em paleocomputação, em particular computadores obsoletos, daquelas famílias que não deixaram descendentes diretos. Eu coleciono e, quando possível, restauro, computadores antigos - se você tiver um desses, a propósito, aceito doações. Por isso, eu resolvi brincar um pouco e resolver a provinha do GDD usando um TRS-80 Model III e um Apple II (um //e enhanced, para ser mais preciso). Para tornar a minha vida mais fácil (e evitar um divórcio) eu usei emuladores em vez de computadores reais. Com isso eu pude escrever o código usando um editor de textos de verdade e "colá-lo" no emulador. Em ambas as plataformas, usei seus interpretadores BASIC embutidos na ROM.

Um outro motivo é por esse dialeto de BASIC ser uma linguagem muito mais simples e pobre de recursos do que as duas outras que eu usei nessa brincadeira. Essa simplicidade é visível nas construções que aparecem nesses programas. É interessante notar como os mecanismos de controle de fluxo do programa são mínimos e se mapeiam quase que diretamente ao que o processador entende.

O emulador

A história do emulador é, por si, interessante. Para os dois eu usei o MESS. MESS é uma derivação do MAME que pretende replicar, da forma mais precisa possível, computadores obsoletos. Como os pacotes do Ubuntu me deram algumas dores-de-cabeça, eu compilei a versão mais nova do MESS. Não é difícil e o pessoal do IRC (#messdev na EFNet) foi mais do que gentil e eu teria apanhado muito mais sem eles.

Aliás, quanto a essa coisa de IRC, se vocë desenvolve software e não usa, devia usar. IRC é como um monte de projetos são coordenados, reuniões são feitas e dúvidas tiradas. É normalmente mais rápido que listas de discussão e fórums web. Ache velho e feio por sua conta e risco. Eu não levo a sério nenhum projeto de software aberto que não tenha um canal de IRC com desenvolvedores e usuários conversando.

Mas vamos aos problemas, que são o mais interessante

1) O que esse programa faz?

x = 7
y = 4
if y > 2, then
   y = y * 2
else
   x = x * 2
print (x + y)

Em um TRS-80, faríamos assim:

10 X = 7
20 Y = 4
30 IF Y > 2 THEN Y= Y * 2 ELSE X= X * 2
40 PRINT X + Y

Mas isso seria uma estupidez. BASIC (aquele dos anos 70 e 80, pelo menos) é um ambiente interativo - você pode testar idéias de forma rápida e fácil, sem escrever programas. Um programador dos anos 80 faria assim:

X = 7
Y = 4
IF Y > 2 THEN Y= Y * 2 ELSE X= X * 2
PRINT X + Y

E, no seu TRS-80, veria isso:

TRS-80, primeira pergunta

Em um Apple II, por conta do BASIC não ter a palavra ELSE, teríamos que fazer um pouco diferente:

X = 7
Y = 4
IF Y > 2 THEN Y= Y * 2 
IF Y <= 2 THEN X= X * 2
PRINT X + Y

E veria algo como

Apple 2, primeira pergunta

Em forma de programa, no Apple II (e em qualquer caso em que precisássemos de um IF/THEN/ELSE multi-linhas), o jeito típico seria usar um GOTO:

10 X = 7
20 Y = 4
30 IF Y > 2 THEN Y= Y * 2 : GOTO 50
40 X= X * 2
50 PRINT X + Y

E teríamos isso:

Apple 2, primeira pergunta, em programa

Como a versão BASIC disse "15" e concordou com as versões Python e Lisp, eu me dou por satisfeito.

2) Quantas vezes esse programa imprime "hello"?

for i = 1 to 5
   if i != 2, then
      for j = 1 to 9
         print 'hello'

O programa ficaria assim:

10 FOR I = 1 TO 5
20 IF I <> 2 THEN FOR J = 1 TO 9: PRINT "hello": NEXT
30 NEXT

Sorte nossa o FOR J caber em uma linha.

Ainda assim, estamos com o mesmo problema que tivemos na nossa primeira tentativa (no original em Python) - que é nos obrigar a contar. Um jeito um pouco melhor ficaria assim:

10 FOR I = 1 TO 5
20 IF I <> 2 THEN FOR J = 1 TO 9: C = C + 1 : PRINT C, "hello": NEXT
30 NEXT

Alguém pode perguntar: "Qual é o valor inicial de C?". No BASIC daquele tempo variáveis do BASIC são tipadas pelo nome ("C" só pode representar um número real) e variáveis não inicializadas são zero ou, no caso de strings ("C$", por exemplo) strings vazias. Ou seja, assim que o programa começa a rodar, C é zero - e podemos contar com isso.

Se estiver incomodando muito, mas muito mesmo, digite "5 C = 0" e seja feliz. Não vai fazer mal.

Se fizermos isso no TRS-80, ficaremos com algo assim:

TRS-80, segunda pergunta

De novo, podemos ficar felizes. O programa em BASIC concorda com os outros - temos 36 (que é a resposta certa, afinal).

3) Quais números, entre 5 e 2675 são pares e divisíveis por 3?

Aqui estamos tão mal quanto o pessoal que fez com Java. Não dá pra fazer nada tão conciso quanto os exemplos em Python e em Clojure. BASIC não tem nenhuma das funcionalidades de geradores de listas que Ruby, Python, Clojure e qualquer linguagem moderna tem.

10 FOR I = 5 TO 2675
20 IF I / 3 = INT(I /3) AND I / 2 = INT(I / 2) THEN C = C + 1
30 NEXT
40 PRINT C

Quando rodar, o programa vai dizer que há 445 números assim. 

TRS-80, terceira pergunta

4) Números bonitos

A pergunta nos apresenta Barbara e seus critérios para que números sejam ou não bonitos. Para ela, números são bonitos se contiverem um dígito 4 e não contiverem um dígito 9. Ao final, nos pergunta quais números entre 14063 e 24779, inclusive, são bonitos.

Esse fica mais complicado. O BASIC que vinha nesses computadores era limitado e não permitia que o programador definisse funções além do mais trivial (uma linha, sem condições). Vamos, por isso, usar uma técnica há muito esquecida (ou que deveria ter sido) que é passar informações por meio de variáveis globais. No caso dos nossos interpretadores, todas as variáveis são globais. Mesmo quem programa em assembly pode contar com a pilha nessas horas. Em BASIC, nem isso.

Você leu direito. Programar naquele tempo não era fácil.

O esqueleto do programa fica assim:

10 FOR I = 14063 TO 24779
20 GOSUB 10000
30 IF B = 1 THEN C = C + 1
40 NEXT
50 PRINT C
60 END

Mas ainda falta o trecho que começa em 10000 que, você deve ter adivinhado, diz se o I é um número bonito e devolve um 1 em B se ele for. O que você vai ver não é bonito para nenhum valor de I, portanto, prepare-se:

10000 REM Primeiro vemos se tem um 4
10010 I$ = STR$(I)
10020 B = 0
10030 FOR J = 1 TO LEN(I$)
10040 IF MID$(I$, J, 1) = "4" THEN B = 1
10050 NEXT
10060 IF B = 0 THEN RETURN
10070 REM Se tem um 4, procuramos um 9
10080 FOR J = 1 TO LEN(I$)
10090 IF MID$(I$, J, 1) = "9" THEN B = 0
10100 NEXT
10110 RETURN

Após um longo tempo, seu computador vai dizer que são 3047 números bonitos:

Apple 2, quarta pergunta

Nesse ponto, estou começando a achar que eu era mais inteligente nos anos 80. O malabarismo mental de lembrar que variável guarda o que e em que partes do programa essas coisas são alteradas é complicado. E é um bom exercício.

5) Os telefones

A última pergunta nos apresenta um país em que os números de telefone têm 6 dígitos. Números não podem ter dois dígitos consecutivos idênticos, porque isso é caído. A soma dos dígitos tem de ser par, porque isso é legal e o último dígito não pode ser igual ao primeiro, porque isso dá azar.

Vamos começar pelas sub-rotinas. A primeira, para ver se o número de telefone é caído:

10000 REM ve se N$ e caido. Se for, C = 1
10010 C = 0
10020 FOR J = 1 TO LEN(N$) -1
10030 IF MID$(N$, J, 1) = MID$(N$, J + 1, 1) THEN C = 1
10040 NEXT
10050 RETURN

Depois, vendo se ele dá azar:

11000 REM se N$ der azar, A = 1
10010 A = 0
10020 IF LEFT$(N$, 1) = RIGHT$(N$, 1) THEN A = 1
10030 RETURN

E, por fim, se ele é legal:

12000 REM se N$ for legal, L = 1
12010 L = 0: S = 0
12020 FOR J = 1 TO LEN(N$)
12030 S = S + VAL(MID$(N$, J, 1))
12040 NEXT
12050 IF S / 2 = INT(S / 2) THEN L = 1
12060 RETURN

Vale a pena notar um padrão - como todas as variáveis são globais, é preciso tomar cuidado para que um pedaço do programa não estrague o outro. Nessas subrotinas meu habitual "FOR I" passou a ser "FOR J" para que meu loop da sub-rotina não estrague o loop principal. Eu podia também ter reutilizado o L como acumulador da soma e não estragar o S com isso.

O bloco principal

10 FOR I = 1 TO 200
20 READ N$
30 GOSUB 10000
40 GOSUB 11000
50 GOSUB 12000
60 IF C = 0 AND A = 0 AND L = 1 THEN Q = Q + 1
70 NEXT
80 PRINT Q
90 END

Só temos um problema - de onde virão os 200 números? O comando READ, na linha 20, lê um valor de uma série de dados literais embutidos no código. Assim, adicionamos uma série de linhas a partir da linha 1000, cada uma com um comando DATA e uma série de strings. Montamos essa linha com um pouco de mágica de copy e paste e busca e troca.

Sim, eu poderia ter pulado os testes depois do primeiro eliminar o número, assim como ter começado com o teste da linha 12000, que é mais simples e rápido. Os algorítmos poderiam ser melhores também e eu poderia ter usado variáveis inteiras onde possível para que os programas rodassem mais rápido.

São 40 linhas com essa cara:

1000 REM Os numeros que precisamos filtrar
1010 DATA "214966", "215739", "220686", "225051", "225123"
...
1400 DATA "715315", "720200", "720202", "720568", "720576"

Quando rodamos o programa, temos a resposta esperada (já fizemos isso algumas vezes, afinal).

TRS-80, quinta perguntaApple 2, quinta pergunta

TRS-80 e Apple II concordam. 61 parece um bom número.

Isso era mesmo necessário?

Não. Eu não precisava ter feito isso nem mesmo uma vez. A primeira eu fiz porque achei as perguntas interessantes. Muitas e muitas vezes eu já entrevistei pessoas incapazes de escrever um programa de 5 linhas sem ajuda de um Google e, francamente, estou tentado a propor testes formais antes mesmo de um humano colocar os olhos em um currículo. O em Clojure foi motivado pelo contorcionismo sintático de expressar um algoritmo em um cruzamento de Ruby e JavaScript. Esse último veio pelo meu interesse em emuladores, pelo meu interesse em computadores antigos e por eu achar que aprender a programar com um computador de 8 bits é divertido. A simplicidade desses computadores facilita ao novato entender, direito, tudo o que acontece dentro deles nem. Não há compiladores cuidando de você e otimizando código ineficiente. Não há milhares de linhas de código de um kernel distribuindo tempo do processador por dezenas de processos. Tudo é bem simples e acontece do jeito que você mandou.

E, na hora de aprender, simples é bom.

Acho que o próximo precisa ser em FORTH. Vou começar a procurar um dialeto legal pra brincar.

E quanto a você?

Se você quiser brincar com um BASIC antigo, eu recomendo que comece lendo os manuais. Manuais do Apple II e do TRS-80 são fáceis de achar. Outra coisa: eu tomei cuidado de escrever esses programas de modo a eles serem portáteis - você pode usá-los em seu Prológica, Microdigital, ou Unitron. Deve poder rodá-los no seu Atari XL ou no seu Commodore 64. Não testei em todos.

Se você achar a brincadeira (é uma brincadeira - ninguém vai pagar vocë por saber programar um computador de 30 anos de idade) legal, compre um computador antigo e cuide dele. Limpe, conserte. Essas máquinas não vão durar para sempre e marcam o momento importante que essa tecnologia deu: quando deixou de ser aquela máquina que vivia fechada em uma sala e passou a ser aquela que tínhamos em casa. Como disse um especialista da Christies sobre o Apple I que foi leiloado esses dias, "é um pedaço de plástico verde que mudou nossas vidas".

Precisamos cuidar deles.

Mais uma coisa: não me escapou o fato de que esses dois BASICs que eu usei são produtos da Microsoft. Ela fazia coisas bem legais nos anos 70.

Read More…

A prova do GDD, em Lisp

Outro dia assisti a uma palestra sobre Hadoop e MapReduce. Todos os exemplos foram dados em um pseudocódigo que misturava Ruby com JavaScript enquanto, na minha cabeça, eu os re-escrevia de um jeito que funcionassem de verdade em Python (eu trabalho com isso). Como no meu último post eu já resolvi a provinha do Google Developer Day usando Python (e usei uma função anônima e um filter, vejam só), eu fiquei com a coceira enorme de refazer essas perguntas com Lisp (já que ela expressa maps e reduces como ninguém mais).

No meu laptop eu tenho uns 4 dialetos de Lisp diferentes (não existe uma "implementação canônica" como no caso de Python ou Ruby). Para brincar aqui, eu escolhi Clojure. Clojure é um dialeto de Lisp que roda sobre a máquina virtual do Java (Java é o COBOL do século XXI e provavelmente do XXII, mas a VM e toda a infra-estrutura dela são muito legais). Outro motivo é que o meu Emacs (o IDE to rule them all) está ligado ao Clojure pelo Slime. Eu instalei ambos (Clojure e Slime) com o ELPA, o gerenciador de add-ons do Emacs e, com uma gambiarra e dois symlinks, estou usando o Clojure 1.2 em vez do 1.1 (que é a versão que o ELPA oferece por hora). Eu podia ter tentado usar o Emacs Lisp (o Emacs é quase todo escrito em Emacs Lisp e um REPL dele está sempre disponível), mas ele não é nem um Lisp moderno, nem particularmente gostoso de usar. Podia ter usado Scheme (e provavelmente o resultado seria mais elegante), mas achei que, por rodar na JVM, Clojure é mais "sexy". Qualquer coisa que evite que alguém tenha que escrever código em Java é uma Coisa Boa que merece ser incentivada.

Aqui cabe uma observação: várias linguagens - Scala, Jython, JRuby - permitem que seus programas rodem dentro de máquinas virtuais Java. Todas elas permitem, também, que você use classes que fazem parte tanto do Java propriamente dito como de outros programas nos quais você talvez precise adicionar alguma funcionalidade. A produtividade individual de um desenvolvedor experiente usando uma linguagem como Python e Ruby (dos quais Jython e JRuby são dialetos) já foi observada como sendo superior à de um desenvolvedor igualmente experiente usando Java. Em outras palavras: se você está usando Java você devia dar uma olhada em linguagens mais produtivas.

E isso vale para C#/.NET. Ninguém deveria usar essas tranqueiras.

A propósito, se você quiser ver a resolução da provinha em Jython, vá à outra versão do artigo. É absolutamente a mesma coisa.

Voltando à prova, resolvê-la deu um pouco de trabalho, provavelmente porque eu ainda estou começando a aprender Clojure (o Clojure Programming/Examples/Cookbook e o livro Programming Clojure, de Stuart Halloway tem ambos sido companhia constante aqui - e são bons mesmo como uma introdução ao Lisp - e o The Joy of Clojure é o próximo no wish-list, para assim que estiver pronto) e porque lembro muito pouco de outros dialetos de Lisp (e o pouco que eu lembro, parece, mais atrapalha do que ajuda).

Aviso muito importante: Eu disse isso acima, mas preciso repetir: estou aprendendo Clojure. Posso ter feito alguma barbaridade sem saber. Mais: não fiz qualquer tentativa de otimizar o código exceto para concisão e legibilidade. Também não fiz TDD. E, por favor, não considere meu estilo pessoal como algo que seja bem-vindo (ou mesmo socialmente aceito) entre programadores Lisp ou Clojure. Aceite meus conselhos por sua conta e risco e não me culpe de nada.

Agora que você foi adequadamente avisado, vamos à provinha:

1) O que esse programa faz?

x = 7
y = 4
if y > 2, then
   y = y * 2
else
   x = x * 2
print (x + y)

No REPL do Clojure, eu fiz assim:

user> (def x 7)
#'user/x
user> (def y 4) 
#'user/y
user> (if (> y 2) (def y (* 2 y)) (def x (* 2 x)))
#'user/y
user> (+ x y)
15

O programa do exercício imprime "15".

2) Quantas vezes esse programa imprime "hello"?

Na linguagem do exercício os loops incluem as extremidades.

for i = 1 to 5
   if i != 2, then
      for j = 1 to 9
         print 'hello'

Vou fingir que, de olhar o pseudocódigo, não dá pra sacar que o programa roda 4 vezes o loop interno e imprime "hello" 36 vezes.

Em Clojure, não temos loops como em Python (ou C, ou quase qualquer outra linguagem desse time). Vamos usar uma list comprehension com o efeito colateral de imprimir coisas na tela.

(for [
        i (range 1 6) 
        j (range 1 10)
     ] 
     (if (not= i 2) 
         (println "hello")
     )
)

Ou, de um jeito um pouco mais Clojure, usando a cláusula ":when" no binding dos ranges no lugar do "jeito C de fazer" com o if dentro do bloco:

(for [
      i (range 1 6) 
      j (range 1 10)
      :when (not= i 2) 
      ] 
  (println "hello")
  )

Executando isso no REPL, ele vai imprimir os "hello"s (como o exemplo em Python fez) entrecortados pelo retorno da list comprehension (que o Python não fez) e isso é chato de contar (ainda mais chato do que o exemplo do Python). Do mesmo jeito que eu fiz com Python, eu vou usar um contador. Como o Clojure abraça a idéia de programação sem efeitos-colaterais e memória transacional, você precisa envolver a coisa cujo estado você pretende alterar em um pouco de burocracia. Famos criar um contador mutável que pode ter seu valor alterado durante a execução do programa.

(def contador (ref 0))

E, com isso, nosso código fica assim:

user> (def contador (ref 0))
(for [
      i (range 1 6)
      j (range 1 10)
      :when (not= i 2)
      ]
  (println (dosync (alter contador inc)) "hello")
  )

A função "dosync" cuida da transação (eu poderia alterar várias variáveis de uma vez) e "alter" faz a alteração propriamente dita do dado que está na referência "contador". "dosync" nos devolve o resultado da última coisa que ele fez, que foi incrementar o contador. Agora, na janela do REPL, vemos algo como:

32 hello
33 hello
34 hello
35 hello
36 hello
nil nil nil nil nil nil nil nil nil nil)
user>

Que é exatamente o que nós queríamos. Agora sabemos que o programa imprime "hello" 36 vezes. Se tivéssemos compilado o programa e o executado a partir de um shell, não veríamos os "nil"s (que só são mostrados pelo REPL porque são o retorno de uma função).

Poderíamos ter sido mais espertos e simplesmente contado o comprimento da lista que o for nos deu (o monte de "nil"s que atrapalha a leitura da nossa saída), mas isso é para o próximo exercício.

3) Quais números, entre 5 e 2675 são pares e divisíveis por 3?

O exercício diz que eu posso escrever um programa para isso. Eu não fiz isso com Python e ainda não preciso fazer isso com Lisp. Tenho uma pontinha de dó de quem precisa.

user> (count (for [n (range 5 2676) :when (and (= (mod n 3) 0) (even? n))] n))
445

Que foi porco da primeira vez e continua porco agora. Quem leu o primeiro post (ou estava acordado no ginásio) sabe que se um número é par e divisível por 3, ele é divisível por 6. Assim, podemos usar o mesmo truque que usamos com Python na nossa solução:

user> (count (for [n (range 5 2676) :when (= (mod n 6) 0)] n))
445

Eu só sinto saudade da função "even?" da primeira implementação. É legal.

4) Números bonitos

A pergunta nos apresenta Barbara e seus critérios para que números sejam ou não bonitos. Para ela, números são bonitos se contiverem um dígito 4 e não contiverem um dígito 9. Ao final, nos pergunta quais números entre 14063 and 24779, inclusive, são bonitos.

Agora eu vou usar um pedaço do Clojure que não vem carregado, mas que é muito útil: uma biblioteca de manipulação de strings. Para usá-la, vamos fazer:

user> (use 'clojure.contrib.string)
WARNING: repeat already refers to: #'clojure.core/repeat in namespace: user,
 being replaced by: #'clojure.contrib.string/repeat
WARNING: butlast already refers to: #'clojure.core/butlast in namespace: user, 
being replaced by: #'clojure.contrib.string/butlast
WARNING: reverse already refers to: #'clojure.core/reverse in namespace: user, 
being replaced by: #'clojure.contrib.string/reverse
WARNING: get already refers to: #'clojure.core/get in namespace: user, 
being replaced by: #'clojure.contrib.string/get
WARNING: partition already refers to: #'clojure.core/partition in namespace: user, 
being replaced by: #'clojure.contrib.string/partition
WARNING: drop already refers to: #'clojure.core/drop in namespace: user, 
being replaced by: #'clojure.contrib.string/drop
WARNING: take already refers to: #'clojure.core/take in namespace: user, 
being replaced by: #'clojure.contrib.string/take
nil

Os warnings dizem que ela mudou o comportamento de algumas coisas que já estavam disponíveis. Não se preocupe com isso: só queremos a função "substring?". Agora, para saber quantos são bonitos, vamos começar com uma função que decide se um número é bonito ou não:

user> user> (defn bonito? [x]
        (and
         (substring? "4" (str x))
         (not(substring? "9" (str x)))
         ))
#'user/bonito?

Por favor, ignore que eu converti x duas vezes para uma string. Eu otimizo para legibilidade. Outra coisa: eu poderia ter usado .indexOf diretamente ou usá-lo para fazer meu próprio "substring?", mas como clojure.contrib é parte do Clojure, eu acho melhor não duplicar o que é parte do pacote.

Agora temos um "bonito" no nosso namespace. Vamos testá-la, para ver se  fizemos tudo direito:

user> (bonito? 4)
true
user> (bonito? 9)
false
user> (bonito? 49)
false
user> (bonito? 1941)
false

Daí, basta aplicá-la usando a mesma técnica que usamos no problema anterior:

user> (count (for [
           n (range 14063 24780) 
           :when (bonito? n)]
           n))
3047

Se você preferir, pode dispensar a função:

user> (count (for [
           n (range 14063 24780) 
           :when (and (substring? "4" (str n)) 
                      (not(substring? "9" (str n)))) ]
           n))

E tem um jeito ainda mais curto, usando a função "filter".

user> (count (filter bonito? (range 14063 24780)))
3047

E, se eu quiser tornar a coisa um pouco mais obscura usando uma função anônima:

user> (count (filter (fn [n] (and (substring? "4" (str n))
                             (not(substring? "9" (str n))))) 
                     (range 14063 24780)))
3047

Apesar das aparências, funções anônimas não existem para atrapalhar a legibilidade do seu código mas para que você possa construí-las somente quando necessário e passá-las como parâmetro para outras funções que vão fazer coisas com elas.

5) Os telefones

A última pergunta nos apresenta um país em que os números de telefone têm 6 dígitos. Números não podem ter dois dígitos consecutivos idênticos, porque isso é caído. A soma dos dígitos tem de ser par, porque isso é legal e o último dígito não pode ser igual ao primeiro, porque isso dá azar.

Vamos começar com os caídos. Ao contrário do nosso exemplo em Python, eu preciso me preocupar com os limites dos índices. (nth "abcdef" -1) não é aceitável em Clojure.

user> (defn caido? [n] 
        (some true? (for 
                     [i (range (- (count (str n)) 1))]
                     (= (nth (str n) i) (nth (str n) (+ 1 i)))
                     )))
#'user/caido?

Camos fazer alguns testes para ver se estamos encontrando números caídos:

user> (caido? 123456)
nil
user> (caido? 122345)
true
user> (caido? 123451)
nil

Observe que, ao contrário da solução em Python (que tem um bug, aliás) a função que identifica números caídos não identifica números que não são caídos mas que dão azar como se fossem caídos.

Vamos precisar, então, escrever uma função para os que dão azar. Essa é fácil:

user> (defn da-azar? [n]
        (= (first (str n)) (last (str n))))
#'user/da-azar?

Só para ter certeza do que fizemos:

user> (da-azar? 123456)
false
user> (da-azar? 623456)
true
E, finalmente, uma para os números legais:
user> (defn legal? [n] 
        (even? 
         (reduce + 
                  (map (fn [s] (Integer/parseInt s)) 
                       (for [c (str n)] (str c))))))
#'user/legal?

Aqui eu preciso dizer uma coisa: tem que existir um jeito melhor de invocar o método estático parseInt de Integer. Essa cicatriz entre o lado Lisp e o lado Java está muito feia.

Voltando ao exercício, vamos testar nossa função para termos certeza de que não fizemos nada errado:

user> (legal? 12)
false
user> (legal? 55)
true
Com as três na mão, basta usarmos duas no nosso critério:
user> (count (for [n (range 100000 1000000)
           :when (and (legal? n)
                      (not (da-azar? n))
                      (not (caido? n)))]
           n))
238500

Mas o exercício não perguntou quantos caídos entre 100000 e 999999. Eles nos deu uma lista. Com um pouco de mágica de clipboard, colocamos os números em uma string, que quebramos e fazemos uma lista:

user> (def tudo "214966
215739
220686
225051
225123
(...)
720202
720568
720576
")
#'user/tudo
user> tudo
"214966\n215739\n220686\n225051\n225123\n...720202\n720568\n720576\n"
user> (def numeros (split-lines tudo))
#'user/numeros
user> numeros
("214966" "220686" "225051" "225123"..."720202" "720568" "720576")
user> (count numeros)
200

Então, usamos a lista e chegamos no resultado:

user> (count (for [n numeros
           :when (and (legal? n)
                      (not (da-azar? n))
                      (not (caido? n)))]
           n))
61

61 de 200 é o resultado que tivemos antes. Se erramos, erramos duas vezes do mesmo jeito.

Não doeu tanto assim, doeu?

Muitos programadores morrem de medo de Lisp. Morrem de medo, vêm um monte de parênteses, acham confuso e desistem. Lisp é uma linguagem muito interessante - a mais antiga ainda em uso - e impõe uma certa disciplina que é útil para qualquer programador. Robert "Uncle Bob" Martin recomenda que todo programador profissional aprenda uma linguagem "diferente" das que conhece por ano. A analogia que ele faz é interessante: um carpinteiro que só sabe fazer banquinhos de pinho não é um bom carpinteiro. Ele precisa aprender a trabalhar com outros tipos de madeira e a fazer outros tipos de móvel.

Se tudo o que você sabe fazer são sites em PHP ou módulos de ERP em C#, talvez seja hora de pensar em aprender algo novo.

Read More…

A "provinha" do Google Developer Day

Algumas pessoas acharam estranho o processo de inscrição para o Google Developer Day. Nas edições anteriores, você preenchia um formulário, contava o que você fazia e onde trabalhava e ficava nisso. Os primeiros a se inscreverem iriam ao evento e pronto. Os menos atentos ganhavam a lista de espera. Agora, além do formulário, você tem que mandar um currículo e resolver alguns problemas que exigem familiaridade com alguma ferramenta de programação.

Não sei se foi essa a intenção da Google, mas, com esse processo de inscrição, eles têm seus dados de contato, seu currículo e sua avaliação em uma prova.

Mas não se anime. Essa prova não deve ser a que o RH do Google usa. Eu, pessoalmente, acredito que ela apenas existe para separar quem vai entender alguma coisa do GDD de quem não vai entender nada e evitar, com isso, que gente que poderia melhor aproveitar o evento fique de fora.

Agora que as inscrições foram fechadas e o prazo para a entrega das provas terminou, eu me sinto à vontade para publicar esse post.

A prova

A prova tem 5 questões, um pouco diferentes para cada candidato. Eu não sei se foi honesto, mas eu resolvi as minhas com uma janela e um interpretador Python do lado. E eu vou fazer o mesmo aqui.

O que esse programa faz?

x = 7
y = 4
if y > 2, then
   y = y * 2
else
   x = x * 2
print (x + y)

Esse é facil. Na janela do ipython:

In [1]: x = 7

In [2]: y = 4

In [3]: if y > 2:
   ...:     y = y * 2
   ...: else:
   ...:     x = x * 2
   ...:     
   ...:     

In [4]: x + y
Out[4]: 15

Quantas vezes esse programa imprime "hello"?

Uma observação: os loops incluem as extremidades.

for i = 1 to 5
   if i != 2, then
      for j = 1 to 9
         print 'hello'

De novo, com o mesmo truque (só que em Python, o range não inclui a extremidade maior):

In [1]: for i in range(1, 6):
   ...:     if i != 2:
   ...:         for j in range(1, 10):
   ...:             print 'hello'
   ...:             
   ...:             
hello
hello
hello
hello
...

Erm... Chato assim. Vamos tentar de outro jeito

In [1]: linha = 1

In [2]: for i in range(1, 6):
   ...:     if i != 2:
   ...:         for j in range(1, 10):
   ...:             print linha, 'hello'
   ...:             linha += 1
   ...:             
   ...:             
1 hello
2 hello
3 hello
4 hello
(...)
36 hello

Agora sim. Mesmo sem o computador, de olhar dá pra sacar que o primeiro loop roda 5 vezes e o segundo, 9. Como a condição que pula o segundo loop pula uma iteração (nem todos os testes fazem isso), o programa imprime 4 x 9 hello's.

Quais números, entre 5 e 2675 são pares e divisíveis por 3?

O exercício diz que eu posso escrever um programa para isso. Deve ser pra acomodar o pessoal que não vive sem um compilador.

In [1]: len([ n for n in range(5, 2676) if n % 2 == 0 and n % 3 == 0 ])
Out[1]: 445

Mas isso foi porco. Quem estava acordado no ginásio vai lembrar que se um número é par (divisível por 2 - essa é do primário) e divisível por 3, ele é divisível por 6. Assim, podemos simplificar nossa solução:

In [2]: len([ n for n in range(5, 2676) if n % 6 == 0 ])
Out[2]: 445

Podemos respirar aliviados agora que vimos que o resultado continua o mesmo.

Números bonitos

A pergunta nos apresenta Barbara e seus critérios para que números sejam ou não bonitos. Para ela, números são bonitos se contiverem um dígito 4 e não contiverem um dígito 9. Ao final, nos pergunta quais números entre 14063 and 24779, inclusive, são bonitos.

Para saber quantos são bonitos, podemos começar com uma função:

In [1]: def bonito(x):
   ...:     return '4' in str(x) and '9' not in str(x)
   ...:

E podemos testá-la, para ver se  fizemos tudo direito:

In [2]: bonito(4)
Out[2]: True

In [3]: bonito(9)
Out[3]: False

In [4]: bonito(49)
Out[4]: False

In [5]: bonito(1491)
Out[5]: False

Daí, basta aplicá-la usando a mesma técnica que usamos no problema anterior:

In [6]: len([ n for n in range(14063, 24780) if bonito(n) ])
Out[6]: 3047

Se você preferir, pode fazer tudo em uma linha:

In [7]: len([ n for n in range(14063, 24780) if '4' in str(n) and '9' not in str(n) ])
Out[7]: 3047

Ou, ainda:

In [8]: len(filter( lambda x: '4' in str(x) and '9' not in str(x), range(14063, 24780)))
Out[8]: 3047

Os telefones

A última pergunta nos apresenta um país em que os números de telefone têm 6 dígitos. Números não podem ter dois dígitos consecutivos idênticos, porque isso é caído. A soma dos dígitos tem que ser par, porque isso é legal e o último dígito não pode ser igual ao primeiro, porque isso dá azar.

Vamos começar com os caídos

In [1]: def caido(x):
   ...:     for i in range(0, len(str(x))):
   ...:         if str(x)[i] == str(x)[i - 1]:
   ...:             return True
   ...:     return False
   ...:

Agora vamos para os legais

In [2]: def legal(x):
   ...:     return sum([ int(n) for n in str(x) ]) % 2 == 0
   ...:

E, se olharmos a função "caido", vamos ver que ela considera caídos os números que dão azar.

In [3]: caido(123451)
Out[3]: True

Assim, basta usarmos duas no nosso critério:

In [4]: len([ n for n in range(100000, 1000000) if not caido(n) and legal(n) ])
Out[4]: 238500

Mas o exercício não perguntou quantos caídos entre 100000 e 999999. Eles nos deu uma lista. Com um pouco de mágica de clipboard, colocamos os números em uma string, que quebramos e fazemos uma lista:

In [5]: tudo = '''214966
   ...: 215739
   ...: 220686
   ...: 225051
   ...: 225123
   ...: 226810
   ...: 228256
(...)
   ...: 720576
   ...: '''

In [6]: tudo
Out[6]: '214966\n215739\n220686\n225051\n225123\n...720202\n720568\n720576\n'

Opa! Tem um '\n' no final do qual precisamos nos livrar

In [7]: numeros = tudo.split('\n')[:-1]

In [8]: len(numeros)
Out[8]: 200

Então, usamos a lista e chegamos no resultado:

In [9]: len([ n for n in numeros if not caido(n) and legal(n) ])
Out[9]: 61

61 de 200 parece razoável.

Motivo para pânico?

Não desanime se seus números forem muito diferentes dos meus. Os enunciados variam de teste para teste. Além disso, até agora eu não recebi confirmação da minha inscrição. Isso pode indicar que eu errei tudo.

Boa sorte!

Read More…

Por que você não deve deixar de ir à LinuxCon só por causa do keynote do Sandy Gupta

Os amigos

Muitos amigos meus estão dizendo que não vão à LinuxCon Brazil por conta de um keynote por um representante da Microsoft. Isso me preocupa muito e me preocupou a ponto de eu me decidir a escrever este post

O mentiroso

A Microsoft é uma entidade engraçada. É extremamente consistente e previsível. Joga baixo, sempre que pode. Seus funcionários acreditam, de coração, que está tudo bem e que é normal fazer essas coisas. Se me convidarem pra jogar bola, eu não vou. Devem dar caneladas, cotoveladas e tudo o mais que puderem, desde que acreditem que vão ficar impunes.

Sandeep Gupta veio da SCO. Foi ele o cara (eu pensei em usar "mané", mas ele sabia muito bem o que estava fazendo) que anunciou (PDF) que havia código do Unix no Linux. Eu escrevi sobre isso há muito tempo - desde então se provou que o Linux não tem código Unix nele e que a SCO não tinha nenhum direito sobre o código que ela dizia ser dela que ela dizia que foi parar (e não foi) dentro do Linux. Lá ele chegou a ser presidente da SCO Operations, seja lá o que fosse que ela operasse.

Muita gente suspeita que a SCO foi apenas um laranja para a Microsoft. A Microsoft tem uma série de coincidências interessantes de executivos que destruíram competidores e que, depois disso, acabaram trabalhando em cargos prestigiosos da empresa. Um que eu me lembro fácil é Rick Beluzzo, que fez com que a HP praticamente abandonasse o desenvolvimento do HP-UX e priorizar servidores Windows, porque, nas palavras dele "NT é o futuro" (em tempo - a divisão de servidores da HP que mais dava lucro era a dos HP-UX, na última vez que eu olhei). Depois da HP ele foi a Silicon Graphics (mais ou menos na época em que a Microsoft comprou a Softimage e estabeleceu o NT como alternativa viável para animação) e que acabou licenciando a preço de banana a tecnologia de aceleração de 3D deles para a Nvidia (que permitiu PCs com performance de 3D similar às SGIs e que enterrou de vez o negócio deles). Depois disso ele foi parar na MSN e deve ter ganho seus vários milhões com isso tudo. A história de Gupta é um paralelo notável e demonstra que, se não a SCO, pelo menos ele esteve a serviço da Microsoft desde o início.

Você contrataria um executivo como ele?

Nem eu.

Mas esse não é o ponto. O homem é um pulha e a Microsoft não é uma empresa ética. Isso não é segredo e nem é a primeira vez que eu digo isso.

O evangelista

James Plamondon era um evangelista da Microsoft. Em uma apresentação, ele explicou como se faz para esvaziar um evento de um competidor - a Microsoft simplesmente aparece no evento. Plamondon, nessa entrevista, se vangloria de ter acabado com duas conferências de desenvolvedores de Mac tornando-as multi-plataforma e impondo tracks com palestras que não interessam a ninguém. Desenvolvedores de software para Mac não querem ir a uma conferência para assistir palestras sobre como escrever software para Windows. Ao impor sua presença, ele espanta conferencistas e, a longo prazo, estrangula a conferência, que morre, aparentemente, de causas naturais. A primeira foi a Mac App Developers Conference, onde ele era membro do board da associação por trás. A segunda foi a Technology and Issues Conference. As duas tiveram uma vida longa antes da Microsoft decidir acabar com elas.

Está tudo aqui. Essa parte que eu mencionei está na página 27, mas o PDF tem 66 páginas de pura maldade (o método que ele usou para entrar na grade de uma conferência é particularmente maligno). Esse pessoal não é só ultra-competitivo. Eles não tem caráter nenhum.

O vilão

Não tenha dúvida de que a Microsoft pagou, direta e indiretamente, para estar na LinuxCon. Mas nós ganhamos com isso. O evento fica melhor no geral, tem mais dinheiro, as entradas podem ser mais baratas e o lanche pode ser melhor. O espaço pode ser mais bem-cuidado, as palestras podem ter mais pessoas. E o preço disso é que temos a oportunidade de ir lá e detonar com o cara no keynote dele. Gente! É o cara da SCO! Melhor que isso só se fosse Bill Gates! Ele vai ser um alvo fácil falando por uma hora. Você pode estar no auditório e, quando ele subir ao palco, sair como forma de protesto (cuidado - ele vai usar a carta da "intolerância" e do "fanatismo" para nos demonizar). Melhor é ficar e crivá-lo com as perguntas mais pontudas e cortantes que puderem imaginar. Se você tiver uma credencial de imprensa, use-a para fazer perguntas na entrevista coletiva. O cara é mau e merece. Simboliza e protagoniza tudo o que existe de mais errado em nosso mercado. Eu lamento profundamente não poder ir pessoalmente dessa vez, mas minha oportunidade de trollá-lo vai chegar.

O que não podemos fazer

Essa parte é muito importante.

Evidentemente, não podemos usar de violência. Eu imagino que também não seja permitido entrar com tortas no auditório. Mais importante do que tudo isso é não deixarmos que a Microsoft esvazie o evento. Se você não aprova e não tem estômago pra ficar ouvindo, vá para o corredor durante o keynote fazer alguma coisa. É uma LinuxCon, afinal. Vá escrever algum código que ajude os outros. Encontre alguém e vá resolver algum problema seu. Deixe que ele fale sozinho sobre a interoperabilidade que a empresa dele não quer. Distribua folhetos, imprima a página 27, traduza, publique em seu blog. Faça algo. Eles vivem da nossa inação.

Mas, mais do que tudo isso, não deixe de ir. O evento e a comunidade a que ele serve não precisam de Guptas e Plamondons.

Precisam de você.

Read More…

Dinheiro público e eventos comunitários

Alguns dias atrás, eu escrevi uma resposta a um texto do Reinaldo Azevedo, um blogueiro/articulista da Veja. Ele associou software livre ao PT. Parece ser um erro conceitual comum. Um amigo meu acaba de me contar de um outro jornalista, Políbio Braga, que se manifestou contra o uso de verbas públicas no FISL. A opinião dele, equivocada em vários pontos, reflete muito do não se entende sobre software livre, sobre modelos econômicos baseados nele e sobre espaços comunitários como o FISL.

Negócio

Uma das idéias dele é que software-livre seja um negócio como qualquer outro. Num certo sentido, ele tem razão. Há muitas e muitas empresas que usam e fazem software livre e ganham (ou pelo menos economizam) dinheiro com isso. Mas essa percepção só captura metade da coisa. Sofware livre não é sobre custo zero. Software livre é sobre liberdade do usuário. Software livre não nega ao usuário o direito de usar o programa como ele quiser. Por exemplo, usuários de Windows podem esbarrar em restrições artificiais que não permitem o uso de toda a memória ou todos os processadores. Ou de um número maior do que um certo tanto de contas de e-mail. Software livre também respeita a autonomia do usuário de examinar e modificar o programa - ou contratar alguém que saiba como fazer isso. Por conta disso, ele é importante quando se demanda auditabilidade, como, por exemplo, em aplicações militares. Você não quer que, por exemplo, seu avião de caça tenha um kill-switch que possa ser acionado pelo seu oponente, quer?

Então... Software livre é um negócio, mas é um negócio correto e honesto, que dá e respeita os direitos do consumidor, ao contrário do modelo tradicional do software proprietário, que só dá direitos muito limitados sobre alguma coisa que, supostamente, foi vendida.

Plataforma política

Algumas pessoas defendem software livre como uma bandeira ideológica que parece saída dos anos 50. Felizmente são poucos. Ideologia política é um assunto que nada tem com software livre além de uma tênue conexão coincidencial. Ao propor a adoção de software livre, estamos nos tornando mais independentes de empresas americanas. A motivação, no entanto, seria a mesma se fossem empresas cubanas, venezuelanas, iranianas ou norte-coreanas. A motivação é a independência, não o alinhamento com um ou outro "eixo". Uma identidade muito próxima com esses regimes seria, inclusive, contraditória, uma vez que o software livre também defende direitos e liberdades que esses governos tolhem.

Mas isso é a minha opinião. Uma causa justa não precisa ser associada a todas as outras causas de quem as apóia.

Geração de riqueza, versão 2.0

O FISL interessa à comunidade.

No FISL muita gente se encontra. Já conheci empresas e parceiros que tornaram possíveis alguns usos inovadores de tecnologia que simplesmente não seriam possíveis, ou fáceis, sem isso. Eventos como o FISL, hackatonas (participei, por exemplo, com meu filho, do Random Hacks of Kindness) são tanto grandes aceleradores de desenvolvimento (porque as pessoas estão fisicamente juntas) como ferramentas educacionais poderosas (para quem é um novato). Assim, eventos como o FISL geram uma enorme riqueza, tanto de idéias, como de produtos que chegarão ao mercado em breve e que servirão, como bons produtos livres, de plataforma para criação de negócios e geração de valor.

Os visitantes do FISL também deixam uma pequena fortuna nos hotéis, restaurantes e taxis da cidade.

Eu diria que a conta fecha, com facilidade. Tanto o governo federal como o governo do estado do Rio Grande do Sul são grandes usuários de software livre. Ter software livre de melhor qualidade é, para eles e para seus cidadãos, um ótimo negócio. E, como não precisam gastar em licenças, podem usar uma fração do dinheiro economizado ajudando a organizar eventos que melhoram a qualidade do que usam. Simples, não?

Sugestões de leitura

Da mesma forma como no outro, eu vou deixar umas sugestões de leitura

Read More…

Resposta à idéia de que software-livre seja coisa do PT

Hoje, em seu blog, Reinaldo Azevedo afirmou software livre está preso ao PT. Normalmente eu não ligaria para o que ele escreve, mas não custa educar as pessoas, custa?

Read More…

Música em Scheme

Posted by Ricardo Bánffy at Apr 01, 2010 01:17 PM |

Para quem não sabe o que está aí no alto, os blocos representam S-expressions de um programa em Scheme que toca determinados samples em momentos diferentes, segundo condições determinadas pelo próprio programa. O que vemos no vídeo é o programa sendo alterado durante a performance usando o Scheme Bricks.

Read More…

Um minuto de silêncio

Posted by Ricardo Bánffy at Mar 12, 2010 09:45 AM |

Silêncio

Read More…

Programação como arte performática

O "Dueto das Flores", parte do primeiro ato de Lakmé, nunca deixou de me comover.

A busca da beleza deve sempre fazer parte da nossa vida e do nosso trabalho. Foi pensando nisso que eu resolvi colocar aqui esse vídeo que mostra uma performance pouco usual. Talvez muitos nunca tenham pensado em programação de computadores como uma arte, muito menos como uma arte performática. Para muitos, programar é apenas um trabalho como qualquer outro.

Não é.

Ou, pelo menos, não precisa ser.

Prime Factors Kata in Ruby, Flower Duet, Lakme' por unclebob no Vimeo.

Sempre que programamos, estamos, como na poesia, buscando aquele ponto preciso entre concisão e expressividade, como no design, entre minimalismo e funcionalidade, ou como nas artes marciais e na dança, onde buscamos o movimento e o equilíbrio harmônicos e perfeitos. É o exercicio da precisão na manifestação de idéias.

O original do vídeo você encontra aqui, explicações de como e porque foi feito, aqui. A primeira versão do Dueto das Flores que se ouve no vídeo é a do grupo inglês All Angels, a segunda, do East Village Opera Company, mas eu, pessoalmente, prefiro uma interpretação menos pop-music.

Read More…

IRC para trabalhadores oprimidos

Para muitos, IRC é uma tecnologia quase esquecida.

IRC, para quem nunca soube (ou já esqueceu), é uma sigla para Internet Relayed Chat. Uma rede IRC é composta de servidores (nós) aos quais você se conecta usando um cliente IRC. Nessas redes você encontra usuários, que estão se comunicando em um ou mais "canais".

Essas redes de IRC têm um papel central em muitos projetos distribuídos. Uma das mais importantes é a freenode. É nos canais dela que os usuários e criadores de vários (na casa de centenas) produtos se encontram para trocar idéias, tirar dúvidas e sugerir alterações. É muito mais rápido do que perguntar algo numa lista de e-mails. Foi no canal "#httpd" (do pessoal do Apache) que eu resolvi um problema de configuração em que eu esbarrei hoje de manhã. Não é exagero dizer que as redes de IRC são um dos pilares do desenvolvimento de software de código aberto. Sem elas, a comunicação seria muito mais complicada.

É, por isso mesmo, um recurso extremamente valioso.

Infelizmente, por questões as mais variadas, muitas empresas bloqueiam as portas por onde passa o tráfego de IRC nos seus firewalls, isolando seus usuários. Quem trabalha nesses lugares acaba até mesmo esquecendo que redes IRC existem ou acaba com a falsa noção de que ninguém mais usa. Acaba sendo obrigado a resolver seus problemas pelas listas de discussão por e-mail. Lento, doloroso e ineficiente.

Para nossa sorte, o bloqueio das portas do IRC não quer dizer que esses proletários oprimidos precisem viver em isolamento, incapazes de se mobilizar: algumas dessas redes - a freenode entre elas - têm fronts HTTP. Para usar o front HTTP da freenode, você só precisa digitar o endereço http://webchat.freenode.net/ no seu navegador, escolher um nickname e um canal no qual entrar. Daí em diante, é como se você estivesse usando um cliente IRC no seu próprio computador. Para saber mais sobre como se usa o IRC (e etiqueta é importante), eu recomendo o IRC Primer.

De resto, se você está lendo isso de dentro de uma rede em que não consegue usar um cliente IRC de verdade, não pense duas vezes: saia explorando, aprenda e converse. Há um monte de gente lá esperando por você.

Read More…

TEDxSP

TEDxSP

Posted by Ricardo Bánffy at Nov 16, 2009 09:45 PM |

Eu preciso começar dizendo que estou me sentindo pequeno.

Desde as primeiras palavras vindas do palco - "Pneumotórax", de Manuel Bandeira, declamado pelo pianista Vitor Araújo, um pernambucano de Recife, de 20 anos de idade, que abriu o primeiro bloco - eu sabia que não haveria como ser diferente. Eu gostaria de registrar essa experiência agora, enquanto a memória é forte o bastante para que eu possa escrever sobre ela "pelo lado de dentro". Levou um certo tempo, da noite de sábado, quando eu mal conseguia falar, atordoado, até a noite de segunda, para me sentir capaz de fazer isso. Não voltei ao "normal" e, com sorte, talvez nunca mais volte, mas já consigo escrever. Isso é um começo.

Idéias: eu fui uma das 700 pessoas que foram expostas a um oceano delas. E isso foi dalí, de pertinho, da segunda fileira do teatro, de onde eu conseguia ver as lágrimas comovidas de quem subia ao palco com voz falhando. Lágrimas comovidas como as da própria platéia. Uma experiência estranha e assustadora ao mesmo tempo. Eu não imaginava que teria uma reação emocional tão forte. Eu nunca imaginaria que tantas pessoas à minha volta teriam uma reação emocional parecida - e as lágrimas estavam lá, no palco e na platéia, provando o quão errado eu estava. Talvez precisássemos disso. Talvez precisássemos muito sem nem mesmo saber.

Idéias poderosas, idéias grandes, idéias importantes, idéias bonitas, idéias de tirar o fôlego. "Idéias que mercem ser espalhadas". Esse é o mote do TED desde sempre, desde muito antes de eu descobrir que ele existia, levado por um vídeo tirado de uma apresentação de Jeff Han. Idéias ficam maiores quando compartilhadas. E lá estavam centenas de pessoas formando a massa crítica de um enorme reator de ideias.

A cabeça explodiu.

No fim do sábado eu voltei para casa. Voltei uma pessoa diferente. Voltei em pedaços, desconstruído, em uma caixa de legos, apequenado frente ao mar de possibilidades a serem realizadas a partir deles. Projetos novos, pessoas para procurar, ajuda a oferecer e idéias para trocar.

Mas tudo a seu tempo. Agora foi a hora de escrever e compartilhar a infinitesimal fração que eu pude colocar em palavras.

Porque essa idéia merece ser espalhada. É uma idéia cujo tempo chegou.

Read More…

Market share Superior

Posted by Ricardo Bánffy at Nov 07, 2009 07:56 PM |

Hoje o Macmagazine está mostrando uma matéria assinada pelo Rafael Fischmann, que é um cara muito legal e que escreve bem, que usou um termo de uma forma que, eu entendo, leva a uma interpretação absurda.

Ele diz "O Windows 7 (...) tem um market share superior ao do Mac OS X 10.6 Snow Leopard" (o destaque é meu).

Eu sei perfeitamente bem que o market share do Windows é imenso. Sei igualmente bem que qualquer versão de Windows vai cruzar a barreira de 10% de usuários com relativa facilidade, uma vez que é quase mais difícil comprar computadores genéricos com a versão anterior de Windows (o que, com a caca que é o Vista até fazia sentido antes, mas com o 7 - que é melhorzinho - não faz mais) do que comprá-los com Linux. Computadores quebram e são aposentados. Computadores novos vêm com Windows 7.

Simples assim. O crescimento dele no mercado é tão inevitável quanto o próximo nascer do sol ou decaimento do Urânio 235.

A palavra certa

"Maior". O market share do Windows 7 é maior do que o do Snow Leopard. É maior do que o do Linux. Mas, Rafael, me perdôe, não é superior exceto na estreita interpretação de superioridade numérica.

Superioridade numérica raramente pode ser ligada a "melhor", um sinônimo do adjetivo "superior" que é mencionado no dicionário. Há mais pagodeiros do que jazistas e mais funkeiros do que amantes de bossa-nova. Corinthianos são mais numerosos do que são-paulinos. O Xbox 360 é mais vendido que o PS3 e o PS2 é mais vendido que os dois juntos. "Mais" nunca quer dizer "melhor". Uma coisa não tem relação com a outra.

Então, vamos encarar o inescapável fato de que usuários de Mac, GNU/Linux, BSD e OpenSolaris são mais selecionados do que os de Windows, porque:

  • Eles sabem o que é um sistema operacional e são capazes de escolher qual usar (tirando aquela meia-dúzia de sempistas que compraram Mac porque era chique)
  • Entenderam que sistemas Unix-like são mais seguros, estáveis e versáteis do que esse filho bastardo do VMS que a Microsoft vende por aí
  • Sacaram que todo o jeito com que se instala programas no Windows é completamente surreal. No mau sentido.
  • No caso dos usuários de OpenSolaris, entenderam que ZFS é ducaralho.
  • No caso dos usuários de Linux e de OpenSolaris, entenderam que gerenciamento de pacotes é O Único Jeito São de se manter um computador e o software que roda nele inteiros. Eu excluo os usuários de Mac e BSD porque os sistemas deles ainda precisam comer muito arroz com feijão nesse terreno.
  • Descobriram que mesmo aquele Atom vagaba que se arrasta no XP consegue rodar uma dúzia de programas sem deixar nenhum deles impossivelmente mais lento do que os outros.
  • E que tiveram outras tantas pequenas epifânias para as quais usuários de Windows simplesmente ainda não estão prontos.

O Windows é feito para o homem comum, para os medianos, para quem não se preocupa em ter a melhor ferramenta. Não hostiliza os abaixo-da-média e atrás-da-curva, uma inclusividade social louvável por si só. O market share dele é grande justamente por isso.

Mas, cá pra nós, superior mesmo é o resto do market share.

Não é questão de quantidade, mas qualidade.

Read More…

Incrívelmente simpres!

Incrívelmente simpres!

Posted by Ricardo Bánffy at Oct 30, 2009 03:35 PM |

Não sei também como dizer isso delicadamente. Na impossibilidade de ser gentil, serei curto-e-grosso: a Microsoft não destina o Windows para pessoas particularmente inteligentes.

Não que todos os usuários de Windows sejam burros ou semi-analfabetos - não são. Muitas pessoas extremamente inteligentes usam Windows. Costumam ser pessoas que precisam dele, ou que, por alguma questão que desafia a lógica, gostam dele, ou ainda que não se importam nem um pouco com que software rodam nem, assim como com salsichas, como ele é feito. Assim como na população geral, essas pessoas particularmente inteligentes não são maioria.

Mas eu preciso também dizer que não é uma demonstração inequívoca de brilhantismo quando alguém paga caro por um produto inferior, ou mesmo quando paga R$ 10 do camelô ou ainda quando baixa de um torrent qualquer. E comprar software pirata é sinal de desonestidade mais do que de esperteza.

Sendo direto: a maioria dos usuários de Windows, assim como a população em geral, não é composta, para usar um anglicismo, pelo "best and brightest". Ao contrário - a Microsoft faz o possível para, se não atrair, pelo menos não espantar o "worst and dimmest". Faz sentido: ela quer o maior público possível para seu software e ser seletiva (alguns diriam "elitista") não seria a melhor estratégia. De elitista basta a Apple. Microsoft é povão.

Precisamente por isso, não fiquei nem um pouco surpreso quando me apontaram, no site da Kalunga (um dos grandes parceiros da Microsoft), a imagem abaixo:

Incrívelmente simpres! 

 

Agora... Eu esperava um pouco mais de cuidado e atenção. Ou, se não cuidado e atenção, pelo menos alguma supervisão adulta sobre quem faz o site.

Por outro lado, considerando tudo o que eu disse acima com toda a delicadeza que consegui me permitir, o anúncio está sob-medida para o público-alvo.

Nota:

Até o momento (domingo, dia 1/11), a aberração não foi corrigida. Está lá. Basta abrir a página, descer pela coluna da esquerda até encontrar um flash de "Lojas especiais" e clicar no "Microsoft" nele. O link do meio do texto não vai funcionar por defeitos de construção do site que nem vale a pena discutir aqui.

Read More…